POSSIBILIDADES E LIMITES DA PRÁTICA ORACULAR COM O TARÔ
- Clientes e alunos - 

O QUE O TARÔ PODE FAZER POR VOCÊ?

 

 1. A consulta de tarô pode servir como aconselhamento ou orientação em qualquer momento de sua vida. Há tiragens (jogos) que facilitam o direcionamento dos assuntos desejados e ajudam a compreender uma fase, uma questão, uma relação ou mesmo uma situação da vida.

 

 2. A consulta de tarô tem a função principal de esclarecer assuntos da vida cotidiana, tais como: relacionamentos (amor, amizade, família), trabalho (seja o ambiente, a profissão ou a carreira), projetos e realizações pessoais, períodos decisivos ou fases de escolha, espiritualidade, estudos, dentre tantos outros. O principal elemento é aquilo que está acontecendo, ou seja, o transitório e não aquilo que não muda ou que tem aspectos fixos como identidade, essência, etc.

 

 3. O aprendizado do tarô, para os alunos, ajuda na elaboração das experiências de vida, auxilia na compreensão do cotidiano ou da própria realidade e com isso permite a espansão criativa. Estudar símbolos e analisar situações variadas amplia a visão de mundo, permitindo ganho de conhecimento, sabedoria, empatia, além do estímulo à reflexão.

 

 4. Tanto para alunos, quanto para clientes/consulentes, o tarô favorece a associação de entendimento ao universo imagético, o que colabora na percepção de si e do outro num âmbito de compreensão diferente, para além dos elementos comuns. As imagens estimulam a imaginação, a criatividade e dão elementos para se lidar com os momentos e/ou pessoas lançando mão de bons questionamentos, além de ampliar a capacidade de enxergar o que for preciso por diferentes ângulos e pontos de vista. As imagens contribuem para novas formas de relação com aquilo que se vive ou experimenta no sentido pessoal.

O QUE O TARÔ NÃO PODE FAZER POR VOCÊ?

 

1. O tarô não pode determinar suas ações, pensamentos ou decisões. Um jogo de cartas deve servir como inspiração à reflexão e ao questionamento, ampliando o entendimento do momento; e não restringir ou definir aquilo que somente você deve fazer. O tarô, portanto, não pode - e nem deve - tomar decisões em seu lugar.

 

 2. A consulta de tarô não deve servir para ações ou acontecimentos premeditados. Uma leitura fatalista restringe, inviabiliza sua capacidade de ação e muitas vezes pode traumatizar. Um jogo é para ser uma experiência que  expanda sua percepção, e não que te assusta. Leituras apocalípticas raramente são funcionais ou proveitosas, servem mais para empoderar a (o) oraculista e apequenar a(o) cliente/consulente.

 

 3. Aprender a jogar tarô  - e a interpretar as cartas - não deve servir como meio para induzir, enganar ou trapacear outras pessoas, especialmente quando se mostram vulneráveis ao buscarem apoio e orientação. O profissional que trabalha com o tarô não deve usar da dedução, mas da análise, para apresentar uma leitura limpa, transparente e agregadora. Nosso trabalho demanda conscientização.

 

 4. O tarô não deve e nem pode resolver seus problemas por você. Tanto ao aluno, quanto ao profissional que já trabalha com as cartas, como igualmente ao cliente/consulente. Não se deve buscar uma resposta definitiva ou fatalista nas cartas, pois assim se delega um poder que deveria ser intransferível à outra pessoa. O tarô não pode resolver nada em seu lugar, ainda que a ansiedade e angústia desejem por essa solução terceirizada. O jogo é espaço de reflexão, não de sentenças.

 

_____________________________________________

icons8-mais-128.png

O tarô é uma prática com tendências espetacularizadas no Brasil e, por isso, enfrenta distorções em suas finalidades. Você pode ler e refletir sobre essa questão, conhecendo minha pesquisa na área das Ciências da Religião a respeito do assunto, publicada como capítulo de livro acadêmico, numa coletânea de diversos autores pesquisadores de temas ligados à religiosidade. No link LIVROS do menu você acessa gratuitamente o livro "Teologia das Religiões", onde no capítulo 22, escrevo sobre "O tarô e a prática oracular na era da midiatização espiritual". É conteúdo gratuito e de acesso público, como outras propostas que disponibilizo com o intuito de conscientizar e informar sobre tarô. Ali você poderá ler meu estudo sobre a espetacularização do tarô e as causas que nos levam a lidar com essa questão no século XXI.